Roxy 35 anos

Era mais um junho quente e todos se preparavam para mais um verão em Mosqueiro ou Salinas. O país inteiro começava a se mexer na campanha das Diretas Já. Fafá de Belém cantava o hino nacional em comícios. Na Rádio Cidade, grupos como Kid Abelha, com “Eu quero você” e Titãs com “Sonífera Ilha”, iniciavam sua trajetória e a do rock Brasil que tomou conta. Mas onde se reunir? Onde estar com os amigos, jantar uma comida gostosa, sem complicação, com mesas largas onde cabe toda a galera?
A esquina da Wandenkolk com Senador Lemos era escura, sem vida. Até junho de 1984. De repente, iluminou-se. Foi escolhida uma musa, Marylin Monroe e a partir daí, uma homenagem ao cinema em um cardápio onde os pratos tinham nomes de grandes estrelas do cinema. A MTV ainda não chegara oficialmente ao Brasil. Mas no Roxy Bar, já. Monitores passavam ininterruptamente vídeos da novidade do momento. A-Ha com “Take on Me”, Duran Duran com “Rio”, Madonna com “Like a Virgin”. Todos no Roxy Bar.
A partir daí, uma história que comemora em 2019, 35 anos de sucesso. Competência, padrão de excelência são muito importantes. Um cardápio que experimenta novidades e ouve os frequentadores. Estes, criaram sucessos como “Sadam Hussein”, por exemplo. Mais do que isso, o Roxy Bar é um estilo de vida. De quem sabe viver bem, gosta de comida sem frescura e bem feita. De reunir os amigos ou a família. De festejar aniversários. De poder ir de bermuda ou black tie. Dos garçons conhecerem dos avôs aos netos, hoje adultos, sobretudo pelo prato preferido.
Aos 35 anos de atividades, há duas casas Roxy Bar. Uma, no mítico endereço, outra no Bosque Grão Pará, onde também funciona para almoço. O volume de público e a satisfação de todos nos enche de orgulho. Para nós, a idéia sempre foi um lugar ideal para estar. Um lugar para o prazer. O prazer de estar lá. Existem dois lugares. Ambos são Roxy Bar.